+351 934 263 216

info@sonodesonho.com

Quanto tempo de sono é o suficiente para uma sesta?

“O meu bebé faz sestas muito curtas. Será normal?” Sempre que esta questão vem à tona e, antes de mais, importa esclarecer quando é que uma sesta pode ser considerada como demasiado breve: nos primeiros meses de vida, sempre que um bebé dormir menos de 45 minutos, está a fazer uma sesta curta e insuficiente.

Para que o bebé consiga manter-se desperto, muito disposto a explorar o mundo que o rodeia, ao mesmo tempo que procura conhecer e controlar o seu próprio corpo (tarefa hercúlea, trabalho muito duro!), precisa de um bom descanso. Esse descanso efectivo é o que lhe permite refrescar corpo e mente.

No entanto, convém não esquecer que o sono é o processo fisiológico mais activo que o ser humano pode executar. Nele acontece todo um reiniciar, que num computador demora uns míseros segundos mas num bebé ocorre em 45 minutos. Basicamente, este também é o tempo necessário para que a mãe possa cozinhar e comer uma refeição digna e descansada ou então tomar um bom banho revigorante, enquanto o bebé dorme!

Nestes 45 minutos, a criança consegue fazer um ciclo de sono completo:

– Uma fracção é feita em sono leve (também conhecido por sono REM), recheada de sonhos. Nesta fase, a criança revive em sonho (e múltiplas vezes) os momentos mais importantes do dia-a-dia, para que possa sedimentar toda a aprendizagem e dá-la como adquirida. No “pacote” REM incluem-se ruídos, estremeções, agitação de membros e de cabeça, que podem acontecer enquanto o bebé dorme. Os pais manifestam frequentemente preocupação e perguntam se é normal tanta agitação durante o sono. E a resposta é sim! Também por isso é que se destapam tanto! Parece-nos estranho porque metade do sono dos bebés é feita neste modo alvoroçado, enquanto os adultos fazem apenas 20% do sono nesta fase REM.

– Já a segunda metade do ciclo de descanso do bebé ocorre em sono profundo (sono não-REM), que, por contraste, se caracteriza pela imobilização. Aqui não há qualquer tipo de buliço, uma vez que é a altura em que o corpo descansa (regeneração dos tecidos, modulação do sistema imunitário, regulação hormonal, etc.), como se ligasse um piloto automático de reabilitação.

Assim sendo, sempre que o bebé interrompe o processo e desperta antes do tempo necessário, o seu descanso não foi pleno. A “bateria” não carregou a 100% e, como é óbvio, não vai conseguir manter-se tanto tempo desperto e de bom humor, como seria de esperar.

No caso específico do bebé recém-nascido, que ainda está a amadurecer fisiologicamente, é frequente que faça uma ou outra sesta mais curta, intercalando outras mais longas, de duas ou mais horas. Se fizer várias sestas curtas consecutivas, o mais provável será acumular cansaço ao final do dia e fazer emergir alguma irritabilidade e até choro, muitas vezes confundidos com as malditas cólicas.

Fonte da imagem: Shutterstock